Facebook Instagram

Esta é a melhor hora do dia para comer banana. Mas quem tem estas doenças não as deve comer

As bananas são muito saudáveis e há um momento no dia ideal para consumi-las. Porém, se tem uma destas condições deixe de comer esta fruta

IOL
17 jun, 13:14

As bananas são conhecidas por serem autênticas cápsulas de coisas boas para a nossa saúde como vitaminas A, C, B1, B2, B6, B9 e E, além de minerais como potássio, magnésio, ferro, selénio, zinco e cálcio.

Quem não ouviu já, na sequência de uma cãibra, o conselho para comer mais bananas? Ou jogadores de futebol a comerem bananas a meio de jogos? Isto acontece porque as propriedades desta fruta fazem com que melhore a circulação, previna cãibras musculares, reduza os níveis de colesterol mau, estimule a digestão, fortaleça o sistema imunitário e seja benéfica para a pele e cabelo.

No entanto, há condições de saúde e algumas doenças que são motivos para eliminar o consumo de bananas da sua dieta, como se pode ler na secção de saúde do site espanhol Mundo Deportivo.

Os especialistas desaconselham, assim, o consumo de banana por parte de pessoas com diabetes, pois os hidratos de carbono que contêm transformam-se em sacarose, glucose e frutose, alterando os níveis de açúcar no sangue e podendo causar picos de glicose.

Além disso, pessoas com insuficiência renal também devem evitar o seu consumo, porque o conteúdo de micronutrientes pode alterar a reabsorção tubular e dificultar a função dos rins.

Qual a melhor hora para comer banana?

A melhor hora para comer banana é ao pequeno-almoço, pois o corpo receberá os seus nutrientes e uma boa dose de potássio, proporcionando mais energia para enfrentar as tarefas do dia. Esta fruta é fácil de incorporar na refeição matinal, podendo acompanhar uma chávena de café ou ser incluída na receita de panquecas, por exemplo.

De acordo com o mesmo site, a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) refere que a banana ajuda a regular a pressão arterial e a controlar a atividade cardíaca, fazendo com que tenha 27% menos risco de sofrer de doenças cardíacas.

RELACIONADOS
Mais Lidas