Cleanwatts procura pessoas que queiram criar comunidade de energia (sem custos de instalação)

28 jun, 17:45
Painel Solar
Painel Solar

A Cleanwatts, empresa sediada em Coimbra, está a lançar um programa para angariar pessoas ou instituições que queiram criar uma comunidade de energia, com recurso a painéis fotovoltaicos, sem custos de instalação.

A Cleanwatts, empresa sediada em Coimbra, está a lançar um programa para angariar pessoas ou instituições que queiram criar uma comunidade de energia, com recurso a painéis fotovoltaicos, sem custos de instalação.

“Estamos a lançar um programa para angariar pessoas que sejam mais dinâmicas, que tenham um gosto pela energia e que queiram criar as suas próprias comunidades de energia no seu bairro, na zona onde vivem”, disse à agência Lusa o cofundador da empresa, Basílio Simões.

Para criar a comunidade, basta reunir 500 metros quadrados de telhado, num raio não superior a dois quilómetros, e entrar em contacto com a Cleanwatts (decarbonize@cleanwatts.energy).

“Os 500 metros quadrados de telhado não precisam de ser todos juntos. Podem ser cinco vezes 100 metros quadrados ou dez vezes 50”, aclarou o responsável, sublinhando que a operação “não tem custos nenhuns” para quem a promove junto da empresa, que faz o investimento na instalação dos painéis, bem como a gestão da comunidade de energia.

A dimensão mínima dos 500 metros quadrados permite garantir a sustentabilidade financeira da operação, com a energia a ter um preço “30 a 35% mais barato do que a tarifa normal que a pessoa paga hoje em dia”, salientou Basílio Simões, realçando ainda que, por enquanto, o Governo tem estancado o aumento do custo nas famílias, mas, caso tal deixe de acontecer, a diferença ainda será maior.

Segundo a diretora das comunidades de energias renováveis da Cleanwatts, Maria Benquerença, o processo “não é nada de muito complexo”, com recolha de alguma informação junto de todas as pessoas e instituições que queiram estar dentro de uma comunidade, e depois o processo é submetido para licenciamento.

Para além deste programa, a empresa desenvolve também uma iniciativa, intitulada “100 Aldeias”, em que se propunha a criar comunidades de energia em 100 localidades do interior do país.

Entretanto, a Cleanwatts já pensa em “avançar com outras 100”, disse Maria Benquerença, referindo que deverá ter algumas das primeiras localidades a aderir ao projeto a funcionar a 100% antes do final do ano, com processos de licenciamento finalizados que permitam a partilha da energia com famílias e instituições associadas à comunidade.

“Nós vamos a zonas industriais e a grandes clientes, onde há uma rentabilidade mais evidente, porque o projeto é maior e tem escala, mas achámos que era interessante pensar naquilo que as comunidades de energia podiam trazer para um problema que nos preocupa bastante, que é a pobreza energética”, vincou a responsável.

Fora da iniciativa “100 aldeias”, a Cleanwatts tem, em Portugal, mais de uma dezena de comunidades de energia já a funcionar, com perfil maioritariamente industrial, que geram um total de cinco megawatts.

Apesar de a empresa reconhecer o interesse dos municípios neste tipo de projetos, decidiu avançar com a iniciativa privada, porque “o que é público anda muito devagar”, explicou Basílio Simões.

“Os municípios já sabem quase todos o que isto é e percebem a importância desta iniciativa, mas passam muito tempo a pensar, querem criar consensos alargados e o processo demora muito tempo, mas não podemos demorar, porque a energia, entretanto, já multiplicou por quatro ou cinco o custo que era há um ano. Cada mês que passa são muitos milhares de euros que as câmaras perdem e as empresas. E por isso preferimos avançar e criar as comunidades”, salientou.

Para Basílio Simões, o modelo da empresa, para além de trabalhar na descarbonização da sociedade e na descentralização da produção de energia, permitirá também a sua “democratização”.

“É um ‘D’ que gostamos muito, o da democratização, no sentido em que todos nós, particulares, pequenas empresas, instituições sociais, podemos produzir a nossa energia e decidir a quem vendemos também. Posso produzir no meu telhado e vender ao vizinho da frente, posso tomar a decisão de quem faz parte da minha comunidade. Não temos que estar à espera que um município decida numa assembleia municipal. Podemos começar e depois eles juntam-se, se quiserem”, afirmou à Lusa o cofundador da empresa.

RELACIONADOS
Mais Lidas