Facebook Instagram

Fica deprimida antes da menstruação? Cuidado: aquilo que pensa ser TPM pode ser mais grave

Quase todas as mulheres sabem o que é e têm sintomas de tensão pré-menstrual. Mas quando a tristeza e raiva são muito intensas nessa fase do ciclo, podemos estar perante outra condição médica

IOL
13 jan, 00:39
Mulher aborrecida a pensar
Mulher aborrecida a pensar

Foto: Magnet Me, Unsplash

A maioria das mulheres está familiarizada com sintomas psicológicos mais ou menos intensos nos dias que antecedem a menstruação. Falamos daquela sensibilidade extra que faz chorar mais facilmente, de uma irritação aumentada e até alguma angústia que nem se consegue identificar a causa.

A síndrome de tensão pré-menstrual (TPM) é responsável por todo este conjunto de sintomas, a que se juntam vários físicos, que pode ser mais ou menos intenso de acordo com cada mulher e pode variar de intensidade de ciclo para ciclo.

A TPM tem números esmagadores. De acordo com o site dos hospitais CUF, cerca de três em cada quatro mulheres que menstruam afirmam ter pelo menos um dos sintomas desta síndrome.

“Este problema pode agravar-se com a chegada dos 40 anos e quando a mulher se aproxima da menopausa (perimenopausa). Uma vez na menopausa, a mulher deixa de sofrer de síndrome de tensão pré-menstrual, pois já não menstrua”, esclarece o artigo da CUF.

Habitualmente, os sintomas da síndrome de tensão pré-menstrual desaparecem em poucos dias ou após o início da menstruação.

Mas, e quando estes sintomas emocionais são tão intensos que se tornam incapacitantes para a mulher? É preciso distinguir uma leve tristeza ou angústia de sintomas depressivos que fazem com que uma mulher não consiga sair da cama, por exemplo.

Nestes casos mais extremos podemos estar perante um Transtorno Disfórico Pré-menstrual. Este “é um tipo de síndrome de tensão pré-menstrual em que os sintomas são mais severos e incapacitantes. Este problema afeta apenas um pequeno número de mulheres”, refere o site da CUF.

Conheça, de seguida, os sintomas que a CUF refere:

Sintomas físicos da síndrome de tensão pré-menstrual

• Fadiga

• Dor de cabeça

• Dor de costas

• Dor muscular ou articular

• Inchaço abdominal

• Cólicas

• Crises de acne

• Aumento do peso associado a retenção de líquidos

• Sensibilidade mamária ou inchaço

• Obstipação ou diarreia

• Intolerância ao álcool

• Menor tolerância ao barulho ou à luz

• Oleosidade capilar

• Manchas na pele

Sintomas psicológicos da síndrome de tensão pré-menstrual

• Tensão ou ansiedade

• Alterações de humor e irritabilidade

• Alterações do apetite e sentir desejos por comida

• Estado depressivo

• Crises de choro

• Problemas de sono, como insónia ou sono exagerado

• Dificuldades de concentração ou de memória

• Alterações da libido, como menor desejo sexual

Sintomas de transtorno disfórico pré-menstrual podem incluir:

• Cólicas

• Dor de cabeça

• Dor muscular ou articular

• Depressão

• Sentir-se assoberbada

• Ansiedade

• Irritabilidade

• Dificuldades de concentração

• Compulsão alimentar

• Dificuldades em dormir

O médico deve ser consultado quando existe suspeita da existência deste transtorno. Ainda assim, existem alterações na rotina, recomendadas pela CUF, que podem ajudar a mulher a combater os sintomas desta fase do ciclo menstrual:

• Modificações da dieta

Estas podem incluir:

o Fazer refeições mais pequenas e com mais frequência ao longo do dia para reduzir o inchaço e a sensação de enfartamento

o Evitar o consumo de cafeína e de álcool.

o Preferir alimentos com elevado teor de hidratos de carbono complexos, como fruta, vegetais e cereais integrais.

o Limitar o consumo de sal e de alimentos salgados, de modo a reduzir o inchaço e a retenção de fluidos.

o Incluir alimentos ricos em cálcio. Se não tolera os laticínios ou não está a consumir as doses adequadas de cálcio, pode haver indicação para a toma de um suplemento de cálcio.

• Praticar exercício físico

Faça deste um hábito regular, com a prática de pelo menos 30 minutos de caminhada a passo acelerado, andar de bicicleta, nadar ou outra atividade aeróbica na maioria dos dias da semana. Fazer exercício físico diariamente pode melhorar a saúde de um modo geral e aliviar certos sintomas associados à síndrome de tensão pré-menstrual, como é o caso da fadiga, da dificuldade de concentração e da depressão.

• Reduzir o stress

Algumas estratégias que podem ajudar a manter níveis de stress mais baixos são, por exemplo, dormir a quantidade de horas adequadas (cerca de oito horas por noite); falar com amigos; praticar relaxamento muscular progressivo ou exercícios de respiração profunda (ajudam a reduzir ansiedade, dor de cabeça e insónia); escrever num diário; praticar ioga ou fazer uma massagem.

• Não fumar

As mulheres fumadoras apresentam não só mais sintomas de síndrome de tensão pré-menstrual, como uma sintomatologia mais severa comparativamente a mulheres não fumadoras.

• Tomar nota dos sintomas

Conhecer os seus sintomas e aquilo que os desencadeia pode ajudar a identificar esses “gatilhos” e assim evitá-los ou adotar estratégias que ajudem a aliviá-los.

Em casos mais graves, os médicos podem receitar medicamentos como os que a CUF refere:

• Antidepressivos: podem reduzir os sintomas associados ao humor depressivo

• Ansiolíticos: podem ajudar a reduzir a ansiedade.

• Anti-inflamatórios não esteroides: podem aliviar as cólicas, a dor de cabeça, a dor de costas e o desconforto mamário quando são tomados antes ou imediatamente aquando do aparecimento da menstruação.

• Diuréticos: quando a prática de exercício físico e a limitação da ingestão de sal não são medidas suficientes para reduzir o edema e o inchaço abdominal, podem ser necessários os diuréticos.

• Contracetivos hormonais: interrompem a ovulação e podem, assim, aliviar os sintomas da síndrome pré-menstrual.

RELACIONADOS
Mais Lidas