Champions: Benfica-Ajax, 2-2 (destaques)

Adérito Esteves
23 fev, 22:40
Estádio da Luz, Lisboa
23 fev, 22:40
Roman Yaremchuk
Roman Yaremchuk

Com os olhos nos quartos e o coração na Ucrânia

A FIGURA: Yaremchuk

Um golo que é muito mais do que um simples golo. Pelo lado desportivo, o avançado ucraniano deixa em aberto o sonho do Benfica chegar aos quartos de final da Liga dos Campeões com o golo do 2-2. No lado emocional, o cidadão ucraniano homenageou todo o seu povo, que sofre com a pressão de uma possível invasão russa. Não só pelo golo, mas pelo festejo, quando mostrou o símbolo do exército ucraniano.

O MOMENTO: Yaremchuk deixa sonho em aberto (73m)

Depois de uma primeira parte pouco mais que competente, o Benfica arrancou para o segundo tempo onde terá feito os melhores minutos desde que Veríssimo pegou na equipa. As transições do Benfica chegaram a ser avassaladoras. Mas faltou quase sempre definir melhor. Menos ao minuto 73m. Yaremchuk foi rápido e oportuno a cabecear para golo após defesa apertada do guarda-redes do Ajax, que acabara de negar o golo a Gonçalo Ramos.

OUTROS DESTAQUES

Rafa

Que grande jogo do internacional português. Na segunda parte, entenda-se. Rafa foi absolutamente preponderante no perigo criado pelo Benfica na segunda parte. A velocidade do extremo nas transições criou sempre muito perigo.

Gonçalo Ramos

O jovem avançado surgiu muitas vezes como terceiro médio a ajudar a defender. Na segunda parte soltou-se mais no ataque e a equipa beneficiou bastante disso. Deixou a defesa do Ajax em sentido e foi de um remate seu de fora da área que resultou o golo do empate, aproveitado por Yaremchuk.

Taarabt

Pela segunda vez consecutiva no onze, o médio marroquino foi uma das figuras em destaque do Benfica. Desbloqueou o jogo com irreverência e foi o principal responsável para que o futebol do Benfica tivesse rasgo e imprevisibilidade. Saiu ovacionado de pé pelo público da Luz.

Darwin

Foi quando o uruguaio apareceu mais em jogo que o Benfica conseguiu aliviar a pressão que o Ajax fez desde cedo na partida. O problema do uruguaio é o mesmo de sempre: a tomada de decisão. Podia ter marcado, podia ter assistido, mas ficou-se demasiadas vezes pelo ‘quase’.

Antony

Que talento! O brasileiro é dos jogadores mais empolgantes do futebol atual. Um daqueles irreverentes que leva para os grandes palcos o futebol de rua. Que melhor imagem que esta: a primeira vez que tocou na bola, junto à linha de fundo, fez um túnel a Weigl, bailou e tirou da frente também Grimaldo. Valeu a segunda dobra para o travar. Grimaldo bem lhe tentou tirar espaço, mas Antony não precisa de muito, como mostrou com um passe sublime para Alvaréz atirar ao poste perto do intervalo.

Haller

O homem não se cansa de marcar. E como gosta de o fazer em Lisboa! Chegou à Luz como melhor marcador desta edição da Champions, com dez golos, metade deles ao Sporting. Depois do poker em Alvalade, começou por se ‘enganar’ e marcar um autogolo na Luz, mas três minutos depois estava a redimir-se, fazendo o 2-1. Podia ter saído da Luz com pelo menos mais um golo na conta, mas falhou de baliza aberta perto do intervalo na recarga a um remate de Alvaréz ao poste.

Daley Blind

O defesa de 31 anos fez história na Luz ao tornar-se no jogador com mais jogos na Champions disputados pelo Ajax. O internacional neerlandês fez a partida 43, ultrapassando o finlandês Jari Litmanen.

 

RELACIONADOS
Mais Lidas